Campos Migratórios

exhibitions

Agarro o mapa pois quero conhecer a cidade. Gosto da sensação de ter o mapa como primeiro contato, riscá-lo, circular lugares, ruas e praças. Antecipo uma apropriação da cidade, pois mesmo sem ainda explorar seu território, deixo-me vagar por ela com meus pensamentos e, de antemão, acercar a composição de espaços e lugares. Nessa exploração me pergunto: quais são os lugares-comuns existentes? Onde é a rua do comércio, que quadra guarda casas luxuosas e onde vou encontrar a efervescência das vias populares? O mapa me permite imaginar, reconstruir a cidade a meu bel-prazer.

O mapa funciona quase como um arquivo portanto, como uma memória – aliás, literalmente – imagética e imaginária. Ajuda-me a localizar e permite também encontrar muito mais do que o previsto; a deriva relaciona-se ao desejo. Ela opera uma experiência de cidade que antecede a investida sobre o espaço real. Também o guia de viagem contribui na construção desse pensamento sobre a cidade e, assim como o mapa, me permite arriscar a busca.

Na exposição Campos Migratórios, Daniel Escobar suspende e ativa o mapa como espaço de construções temporárias e de imaginação. Se a cidade de Belo Horizonte é o lugar de exploração escolhido pelo artista, o convite feito vai muito além da experiência dali. Migração aqui se refere a todos nós passantes, habitantes temporários dessa espacialidade também migrante. Estamos desejosos por encontrar nas suas construções a cidade que ocupamos mas, talvez o convite possa ser outro, o de um encontro consigo mesmo.

A exposição traz ainda um outro campo de negociação e visualidade não representada no mapa ou nos guias de viagem, mas sim nos letreiros publicitários espalhados pela cidade. A negociação para a retirada das letras de fachadas urbanas, altera temporariamente o sentido da informação publicitária, promovendo uma intervenção no espaço real da cidade e seus fluxos de comunicação. No contexto da exposição as letras sofrem uma reconfiguração dando origem a outro anúncio – tentador e efêmero como uma liquidação de temporada - 
S O N H O.

Janaina Melo

 

 

Campos Migratórios

Curadoria: Janaina Melo
Prêmio Funarte de Arte Contemporânea 2011
Funarte MG
02/02 a 02/03/2012

01 Campos Migratórios 02 Campos Migratórios 03 Campos Migratórios
04 Campos Migratórios 05 Campos Migratórios 06 Campos Migratórios
07 Campos Migratórios 08 Campos Migratórios